25 de jul de 2012

Avaliação de Língua portuguesa22

TRABALHO DE LÍNGUA PORTUGUESA
A CASA SONOLENTA     (AUDREY WOOD)
 (...) NESSA CASA
TINHA UMA CAMA,
UMA CAMA ACONCHCHEGANTE,
NUMA CASA SONOLENTA,
ONDE TODOS VIVIAM DORMINDO.
NESSA CAMA
TINHA UMA AVÓ,
UMA AVÓ RONCANDO,
NUMA CAMA ACONCHEGANTE,
NUMA CASA SONOLENTA,
ONDE TODOS VIVIAM DORMINDO.
EM CIMA DESSA AVÓ
TINHA UM MENINO,
UM MENINO SONHANDO,
EM CIMA DE UMA AVÓ RONCANDO, NUMA CAMA ACONCHEGANTE,
NUMA CAMA SONOLENTA,
ONDE TODOS VIVIAM DORMINDO.
EM CIMA DESSE MENINO
TINHA UM CACHORRO,
UM CACHORRO COCHILANDO,
EM CIMA DE UM MENINO  SONHANDO,
EM CIMA DE UMA AVÓ RONCANDO,
NUMA CAMA ACONCHEGANTE,
NUMA CAMA SONOLENTA,
ONDE VIVIAM DORMINDO.
 EM CIMA DESSE CACHORRO,
TINHA UM GATO,
UM GATO RESSONANDO,
EM CIMA DE UM CACHORRO COCHILANDO,
EM CIMA DE UM MENINO SONHANDO,
EM CIMA DA AVÓ RONCANDO,
NUMA CAMA ACONCHEGANTE,
NUMA CASA SONOLENTA,
ONDE TODOS VIVIAM DORMINDO.
 EM CIMA DESSE GATO,
TINHA UM RATO,
UM RATO DORMITANDO,
EM CIMA DE UM GATO RESSONANDO,
EM CIMA DE UM CACHORRO COCHILANDO,
EM CIMA DE UM MENINO SONHANDO,
EM CIMA DE UMA AVÓ RONCANDO,
NUMA CAMA ACONCHEGANTE,
NUMA CASA SONOLENTA,
ONDE TODOS VIVIAM DORMINDO.
E EM CIMA DESSE RATO
TINHA UMA PULGA... (...)
1) ILUSTRE A PARTE DO TEXTO QUE VOCÊ MAIS GOSTOU:
  
2) VOCÊ  GOSTOU  DO  TEXTO  ? POR  QUÊ ?          

3) VOCÊ CONHECE UMA CASA ASSIM ?

4) DORMIR É MUITO GOSTOSO, DESCANSA NOSSA MENTE E NOSSO CORPO. QUANDO DORMIMOS COSTUMAMOS SONHAR. VOCÊ SE LEMBRA DE SEUS SONHOS ? COMO SÃO ?

5) ESCREVA COMO VOCÊ IMAGINA QUE É A CASA DO TEXTO LIDO:

6) INVENTE OUTRAS CARACTERÍSTICAS PARA AS PERSONAGENS DA HISTÓRIA LIDA.
AVÓ QUE RONCA É __________________
MENINOSONHADOR  É _______________
CACHORRO COCHILADOR É __________
GATO QUE ROSNA É _________________
RATO QUE DORMITA É _______________
PULGA QUE __________E_____________

7)RESPONDA:
a) SE VOCÊ ENTRASSE NUMA CASA COMO ESSA, O QUE FARIA?      
b) COMO VOCÊ ACHA QUE TERMINOU ESSA HISTÓRIA?

8) RESPONDA
a)FAÇA UMA LISTA DAS PERSONAGENS DESSA HISTÓRIA PELA ORDEM  EM QUE APARECEM:
b)AGORA, FAÇA A MESMA LISTA EM ORDEM ALFABÉTICA:

10) EM QUE LUGAR DA CASA SE PASSA ESSA HISTÓRIA? COMO ERA ESSE LUGAR ?

11) COPIE DO TEXTO ALGUMAS PALAVRAS QUE RIMAM ENTRE SI:  

12) IMAGINE QUE O DONO DA CASA ESTIVESSE QUERENDO VENDÊ-LA E TE CONTRATOU PARA FAZER UM ANÚNCIO

13) ESCREVA ESSE ANÚNCIO NO QUADRO ABAIXO:
 
              VENDO
coloriage cottage

 14) ESCREVA OS NOMES DO OBJETOS, MATERIAIS E MÁQUINAS USADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: 
construction coloring book pagesconstruction coloring book pagesconstruction coloring book pagesconstruction coloring book pagesconstruction coloring book pagesclick on me to open in a larger windowclick on me to open in a larger window
 ESCOLHA 3 DESSA FIGURAS E FORME FRASES

13) ESCREVA O NOME DOS OBJETOS QUE TEM EM CASA.
Stovehttp://docs.google.com/File?id=df4wkrf4_3780gfpmhqht_bhttp://docs.google.com/File?id=df4wkrf4_3779csz83jdb_bhttp://docs.google.com/File?id=df4wkrf4_3781c734nwhc_bhttp://docs.google.com/File?id=df4wkrf4_3782f9dr5zfk_bhttp://docs.google.com/File?id=df4wkrf4_3784g3zg7hfv_bhttp://docs.google.com/File?id=df4wkrf4_3783hfsg53dp_bhttp://docs.google.com/File?id=df4wkrf4_3785gb6wj4fb_b
http://docs.google.com/File?id=df4wkrf4_3786hqh57xg2_bhttp://docs.google.com/File?id=df4wkrf4_3787gt5hq8dd_bTea KettleJarDrinking GlassPitcherhttp://docs.google.com/File?id=df4wkrf4_3793c88bmvhc_bhttp://docs.google.com/File?id=df4wkrf4_3792d3g4dggk_b

LÚCIA ESTÁ MUITO TRISTE POIS PERDEU O SEU URSINHO DE PELÚCIA, AJUDE-A ESCREVENDO UMA ORAÇÃO AO PAPAI DO CÉU PEDINDO QUE ENCONTRO SEU BRINQUEDO:

http://docs.google.com/File?id=df4wkrf4_3722csbgnffk_b

O MISTÉRIO DA LUA
Um dia a Lua apareceu no céu, magrinha e fininha.
As crianças da cidade começaram a perguntar:
— O que foi que aconteceu?
Disse o Raul:
— Foi o vento que arrancou um pedaço dela.
Pedro falou:
— Nada disso. Ela cresceu ao contrário!
Todo mundo tinha um palpite para dar! O Zé Rodolfo dizia:
— Eu acho que isso é feitiço de bruxa com sua vassoura  ou de mago com sua tesoura!
A Cristina perguntou:
— Será que a Lua está triste? Ela estava tão cheinha, gorducha, redonda mesmo! Será que a pobre coitada emagreceu de tristeza?                                       (Sônia Junqueira)
1) Escreva:
a) O título do texto:
b) O nome da autora do texto:

2) Escreva o que os meninos disseram sobre a Lua:
Raul
Pedro
Zé Rodolfo
Cristina


A VONTADE DO FALECIDO  Stanislaw Ponte Preta
 Seu Irineu Boaventura não era tão bem-aventurado(1) assim, pois sua saúde não era lá para que se diga. Pelo contrário, seu Irineu ultimamente já tava até curvando a espinha, tendo merecido, por parte de vizinhos mais irreverentes(2), o significativo apelido de “Pé-na-Cova”. Se digo significativo é porque seu Irineu Boaventura realmente já dava a impressão de que, muito brevemente, iria comer capim pela raiz, isto é, iam plantar ele e botar um jardinzinho por cima.
Se havia expectativa em torno do passamento(3)do seu Irineu? Havia sim. O velho tinha os seus guardados. Não eram bens imóveis, pois seu Irineu conhecia de sobra Altamirando, seu sobrinho, e sabia que, se comprasse terreno, o nefando(4) parente se instalaria nele sem a menor cerimônia. De mais a mais, o velho era antigão: não comprava o que não precisava e nem dava dinheiro por papel pintado. Dessa forma, não possuía bens imóveis nem ações […]. A erva dele era viva. Tudo guardado em pacotinhos, num cofrão verde que ele tinha no escritório.  Nessa erva é que a parentada botava olho grande […] principalmente depois que o velho começou a ficar com aquela cor de uma bonita tonalidade cadavérica. O sobrinho, embora mais mau-caráter do que o resto da família, foi o que teve a atitude mais leal, porque, numa tarde em que seu Irineu tossia muito, perguntou assim de supetão(5):
        Titio, se o senhor puser o bloco na rua, pra quem é que fica o seu dinheiro, hem?
O velho, engasgado de ódio, chegou a perder a tonalidade cadavérica e ficar levemente ruborizado, respondendo com voz rouca:
        Na hora em que eu morrer, você vai ver, seu cretino.
Alguns dias depois, deu-se o evento(6). Seu Irineu pisou no prego e esvaziou. Apanhou um resfriado, do resfriado passou à pneumonia, da pneumonia passou ao estado de coma(7) e do estado de coma não passou mais. Levou pau e foi reprovado.[…]
- Bota titio na mesa da sala de visitas – aconselhou Altamirando; e começou o velório. Tudo que era parente com razoáveis esperanças de herança foi velar o morto. Mesmo parentes desesperançados compareceram ao ato fúnebre(8), porque estas coisas vocês sabem bem como são: velho rico, solteirão, rende sempre um dinheirão. Horas antes do enterro, abriram o cofrão verde onde havia sessenta milhões em cruzeiros, vinte em pacotinhos de “Tiradentes” (9)e quarenta em pacotinhos de “Santos Dumont”(10):
        O velho tinha menos dinheiro do que eu pensava – disse alto o sobrinho.
E logo adiante acrescentava baixinho:
        Vai ver, gastava com mulher. Se gastava ou não, nunca se soube. Tomou-se – isto sim – conhecimento de uma carta que estava cuidadosamente colocada dentro do cofre, sobre o dinheiro. E na carta o velho dizia: “Quero ser enterrado junto com a quantia existente nesse cofre, que é tudo o que eu possuo e que foi ganho com o suor do meu rosto, sem a ajuda de parente vagabundo nenhum.” E, por baixo, a assinatura com firma reconhecida para não haver dúvida: Irineu de Carvalho Pinto Boaventura.
Pra quê! Nunca se chorou tanto num velório sem se ligar pro morto. A parentada chorava às pampas, mas não apareceu ninguém com peito para desrespeitar a vontade do falecido. Estava todo o mundo vigiando, e lá foram aquelas notas novinhas arrumadas ao lado do corpo, dentro do caixão. Foi quase na hora do corpo sair. Desde o momento em que se tomou conhecimento do que a carta dizia, que Altamirando imaginava um jeito de passar o morto pra trás. Era muita sopa deixar aquele dinheiro ali pro velho gastar com minhoca. Pensou, pensou e, na hora que iam fechar o caixão, ele deu um grito de “pera aí”. Tirou os sessenta milhões de dentro do caixão, fez um cheque da mesma importância, jogou lá dentro e disse “fecha”.
        Se ele precisar, mais tarde desconta o cheque no Banco. (Stanislaw Ponte Preta. Dois amigos e um chato. SP, Moderna, 1986)
Vocabulário
Bem aventurado: muito feliz
Irreverente: desrespeitoso
Passamento: falecimento, morte
Nefando: detestável, que merece desprezo
De supetão: sem se esperar, de repente
Evento: fato, acontecimento
Coma: situação de um doente cujo cérebro praticamente não funciona mais
Fúnebre: que se refere a morte
Tiradentes e Santos Dumond: nomes populares de notas de dinheiro na época.
ESTUDO DO TEXTO:
1.   Por que o texto chama-se A vontade do falecido?
2.   Segundo o texto, por que seu Irineu não era feliz?
3.   Que fato levou os vizinhos de seu Irineu a lhe darem o apelido de Pé-na-Cova?
4.   Releia:
“[…] A erva dele era viva. Tudo guardado em pacotinhos, num cofrão verde que ele tinha no escritório.
Nessa erva é que a parentada botava olho grande[…].”
1.   Explique o significado da expressão destacada.
2.   O que sentiam os parentes de seu Irineu em relação ao dinheiro dele?
5.   Segundo o narrador, por que Altamirando foi o parente que teve a atitude mais leal com seu Irineu?
6.   Em relação às atitudes dos parentes no velório de seu Irineu, indique se cada uma das afirmações a seguir é verdadeira ou falsa. Justifique sua opção.
1.   Os parentes choraram muito, pois ficaram tristes com a morte de seu Irineu.
2.   Os parentes eram muito unidos e confiavam uns nos outros.
7.   Afinal, Altamirando conseguiu ou não “passar o morto pra trás”? Justifique sua resposta:



A LINGUAGEM DO TEXTO:
1.   Informal é a linguagem descontraída, em que aparecem palavras e expressões populares. Ela é muito usada na conversa do dia-a-dia entre amigos e familiares. Veja um exemplo tirado do texto:
“[…] sua saúde não era lá para que se diga”.
Usando uma linguagem mais formal, esse trecho ficaria assim:
[…] sua saúde não era muito boa.

Indique a expressão formal que substitui adequadamente a informal destacada nos seguintes trechos:
a) “[…] seu Irineu conhecia de sobra Altamirando[…]”
(   ) pouco (  ) muito bem (   ) de vista

b) “Titio, se o senhor puser o bloco na rua, pra quem é que fica o seu dinheiro, hem?”
(   ) bater as botas (   ) ficar irritado (   ) falecer

3.   “[…] não apareceu ninguém com peitopara desrespeitar a vontade do falecido.”
(   ) com medo (   ) com coragem (   ) desonesto

4.   “A parentada chorava às pampas […]”
(   ) feito louca        (   ) fingidamente            (   ) muito

5.   “[…] Altamirando imaginava um jeito depassar o morto pra trás.”
(   ) enganar o morto               (   ) desrespeitar o morto             (   ) temer o morto

2.   A expressão pé-na-cova é usada na linguagem popular para dizer que uma pessoa está doente, próxima da morte.
Nas frases que seguem, aparecem outras expressões com a palavra pé. Procure explicar o significado delas.
1.   Ele trabalhou muito, fez um pé-de-meiae teve uma velhice tranqüila.
2.   Nosso time estreou com o pé direitono campeonato: venceu os três jogos que disputou.
3.   Um bom pedreiro faria esse trabalhocom um pé nas costas.
4.   Para não acordar o bebê, a mulher entrou no quarto pé ante pé.

MARCA DE AMOR
Um menino tinha uma cicatriz no rosto, as pessoas de seu colégio não falavam com ele e nem sentavam ao seu lado, na realidade quando os colegas de seu colégio o viam franziam a testa devido à cicatriz ser muito feia.
Então a turma se reuniu com o professor e foi sugerido que aquele menino da cicatriz não freqüentasse mais o colégio, o professor levou o caso à diretoria do colégio.
A diretoria ouviu e chegou à seguinte conclusão:
Que não poderia tirar o menino do colégio, e que conversaria com o menino e ele seria o ultimo a entrar em sala de aula, e o primeiro a sair, desta
forma nenhum aluno via o rosto do menino, a não ser que olhassem para trás.
O professor achou magnífica a idéia da diretoria, sabia que os alunos não olhariam mais para trás. Levado ao conhecimento do menino da decisão ele
prontamente aceitou a imposição do colégio, com uma condição:
Que ele compareceria na frente dos alunos em sala de aula, para dizer o por quê daquela CICATRIZ.
A turma concordou, e no dia o menino entrou em sala dirigiu-se a frente da sala de aula e começou a relatar:
- Sabe turma eu entendo vocês, na realidade esta cicatriz é muito feia, mas foi assim que eu a adquiri:
- Minha mãe era muito pobre e para ajudar na alimentação de casa minha mãe passava roupa para fora, eu tinha por volta de 7 a 8 anos de idade...
A turma estava em silencio atenta a tudo .
O menino continuou: além de mim, haviam mais 3 irmãozinhos, um de 4 anos, outro de 2 anos e uma irmãzinha com apenas alguns dias de vida.
Silêncio total em sala.
-... Foi aí que não sei como, a nossa casa que era muito simples, feita de madeira começou a pegar fogo, minha mãe correu até o quarto em que estávamos pegou meu irmãozinho de 2 anos no colo, eu e meu outro irmão pelas mãos e nos levou para fora, havia muita fumaça, as paredes que eram de madeira, pegavam fogo e estava muito quente... Minha mãe colocou-me
sentado no chão do lado de fora e disse-me para ficar com eles até ela voltar, pois minha mãe tinha que voltar para pegar minha irmãzinha que continuava lá dentro da casa em chama. Só que quando minha mãe tentou entrar na  casa em chamas as pessoas que estavam ali, não deixaram minha mãe buscar minha irmãzinha, eu via minha mãe gritar:
- "Minha filhinha está lá dentro!" Vi no rosto de minha mãe o desespero, o horror e ela gritava, mas aquelas pessoas não deixaram minha mãe buscar minha irmãzinha...
Foi aí que decidi. Peguei meu irmão de 2 anos que estava em meu colo e o coloquei no colo do meu irmãozinho de 4 anos e disse-lhe que não saísse dali até eu voltar. Saí de entre as pessoas, sem ser notado e
quando perceberam eu já tinha entrado na casa. Havia muita fumaça, estava muito quente, mas eu tinha que pegar minha irmãzinha. Eu sabia o quarto em que ela estava. Quando cheguei lá ela estava enrolada em um lençol e chorava muito... Neste momento vi caindo alguma coisa, então me joguei em cima dela para protegê-la, e aquela coisa quente encostou-se em meu rosto...
A turma estava quieta atenta ao menino e envergonhada, então o menino continuou: Vocês podem achar esta CICATRIZ feia, mas tem alguém lá em casa que acha linda e todo dia quando chego em casa, ela, a minha irmãzinha me beija porque sabe que é marca de AMOR.
Vários alunos choravam, sem saberem o que dizerem ou fazerem, mas o menino foi para o fundo da classe e imovelmente sentou-se.
Para você que leu esta história, queria dizer que o mundo está cheio de
CICATRIZ. Não falo da CICATRIZ visível mas das cicatrizes que não se vêem,
estamos sempre prontos a abrir cicatrizes nas pessoas, seja com palavras
ou nossas ações.
Há aproximadamente 2000 anos JESUS CRISTO, adquiriu algumas CICATRIZES em
suas mãos, seus pés e sua cabeça.
Essas cicatrizes eram nossas, mas Ele, pulou em cima da gente, protegeu-nos e ficou
com todas as nossas CICATRIZES..
Essas também são marcas de AMOR.
Jesus te ama, não por quem você é, mas sim pelo que você é, e para Jesus você é a pessoa
mais importante deste mundo.
Nunca se esqueça disso!

A OUTRA NOITE                             (Rubem Braga)

              Outro dia fui a São Paulo e resolvi voltar à noite, uma noite de vento sul e chuva, tanto lá como aqui. Quando vinha para a casa de táxi, encontrei um amigo e o trouxe até Copacabana; e comentei a ele que lá em cima, além de nuvens feias que cobriam a cidade eram vistas de cima, enluaradas, colchões de sonhos, alvas, uma paisagem irreal.
              Depois que o meu amigo desceu do carro o chofer aproveitou um sinal fechado para voltar-se para mim:
              ___O senhor vai me desculpar, é que eu estava aqui a ouvir a sua conversa. Mas, tem mesmo luar lá em cima?
              Confirmei: sim, acima de nossa noite preta e enlamaçada havia uma outra___pura, perfeita e linda.
              ___Mas que coisa...
              Ele chegou a por a cabeça fora do carro para olhar o céu fechado de chuva. Depois continuou guiando mais lentamente. Não sei se sonhava em ser aviador ou pensava em outra coisa.
              ___Ora, sim senhor...
              E, quando saltei e paguei a corrida, ele me disse uma “boa noite” e um “muito obrigado ao senhor” tão sincero, tão veemente, como se eu lhe tivesse feito um presente de rei.
 http://docs.google.com/File?id=df4wkrf4_3017cjphz9g7_b
http://docs.google.com/File?id=df4wkrf4_3017cjphz9g7_b

A DISPUTA                              Paulo Nunes de Almeida 
              A Escola Municipal Francisco Ribeiro dos Santos, da cidade de Dona Euzébia, estava movimentada. As crianças espalhadas pela quadra faziam uma algazarra infernal, enquanto esperavam a entrada do Galera Fera, time da escola. O time ia disputar o campeonato feminino de futebol de salão entre escolas das cidades vizinhas.
              Centenas de vozes explodiram na hora em que o time entrou em campo.
              ___ Galera Fera!              ___ Galera Fera!
              As meninas entraram correndo na quadra. AValéria, a Roberta, a Mariana, a Gabriela, a Fabrícia e a Leila; por final, veio o técnico, o professor Rodrigo.    O jogo começou nervoso e,  a cada gol que Galera Fera fazia, o coro e a torcida gritavam:
              ___ Galera Fera! Galera Fera!
              O time disputou muito, mas não ganhou a partida. Aceitou a derrota e reconheceu que o adversário jogara muito melhor. A derrota uniu ainda mais o Galera Fera, que prometeu mais treinamento e mais empenho nas próximas partidas.
TRABALHANDO COM AS IDÉIAS DO TEXTO 
1- Você notou que o narrador do texto não participa da história. Quem você acha que é o narrador da história?

2- A escola a que se refere o texto é pública ou particular? Em que trecho do texto aparece essa informação?

3- Qual o nome do time que participou da disputa?

4- Que campeonato esse time disputou?

5- Quantas personagens do time Galera Fera jogaram?

6- O time perdeu. Como você acha que as jogadoras se sentiram?

7- Este texto procura mostrar que é importante ter espírito esportivo, saber perder. Você concorda com isso? Copie o trecho do texto que exprime o espírito esportivo do time Galera Fera.

8- Grife no texto a frase que permite observar que a derrota não fez com que o time perdesse a esperança de um futuro de vitórias.

9- Numere os parágrafos no texto e escreva quantos são.

10- Reescreva as palavras do 2º parágrafo em ordem alfabética.
 Retire do texto:
* 1 substantivo comum
*  1 substantivo coletivo
* 1 substantivo próprio

 11- Retire do último parágrafo:
       1 palavra monossílaba
       1 palavra dissílaba
       1 trissílaba e 1 polissílaba