ATENÇÃO



Querido companheiro de profissão, se você se interessar por alguma postagem e não conseguir uma boa impressão envie-me e-mail que ficarei feliz em compartilhar. Abraço.
profclaugeo@yahoo.com.br

Atividades de Historia e Geografia

Nos sites abaixo você encontra todos os meus arquivos em doc word.

Visite


Entre para o grupo

Curriculo Básico Comum(CBC)

Encontre aqui o CBC, Orientações pedagógicas para suas aulas e Roteiros de atividades.
Clique no link abaixo:
http://crv.educacao.mg.gov.br/sistema_crv/index2.aspx??id_objeto=23967

11 de out de 2011

Avaliação de Língua Portuguesa


Avaliação de Língua Portuguesa
Nome: ____________________________ Nº:________ Série:_________
Professora:



O  Nariz
 Era um dentista respeitadíssimo. Com seus quarenta e poucos anos, uma filha quase na faculdade. Um homem sério, sóbrio, sem opiniões surpreendentes, mas de uma sólida reputação como profissional e cidadão. Um dia, apareceu em casa com um nariz postiço. Passado o susto, a mulher e filha sorriam com fingida tolerância. Era um daqueles narizes de borracha com óculos de aro pretos, sobrancelhas e bigodes que fazem a pessoa ficar parecida com o Groucho Marx. Mas o nosso dentista não estava imitando o Groucho Max. Sentou-se à mesa de almoço – sempre almoçava em casa – com a retidão costumeira, quieto e algo distraído.Mas com um nariz postiço.
    O que é isso? _Perguntou a mulher depois da salada, sorrindo menos.
    _ Isto o quê?   _ Esse nariz.
Ah, vi numa vitrina, entrei e comprei.
_Logo você, papai...
Depois do almoço ele foi recostar-se no sofá da sala como fazia todos os dias. A mulher impacientou-se.
_Tire esse negócio.
_ Por quê?_Brincadeira tem hora.
Sesteou com o nariz de borracha para o alto.Depois de meia hora,levantou-se e dirigiu-se para a porta.A mulher o interpelou:_Aonde é que você vai?
Como, aonde é que eu vou?Vou voltar para o consultório.
_Mas com esse nariz?
_Eu não compreendo você. _disse ele, olhando-a com censura através dos aros sem lentes. Se  fosse uma gravata nova, você não diria nada.
Só porque é um nariz...
_Pense nos vizinhos. Pense nos clientes.Os clientes, realmente, não compreenderam o nariz de borracha.Deram risada: (“Logo o senhor, doutor...”), fizeram a pergunta, mas terminaram a consulta intrigados e saíram do consultório com dívidas.
Ele enlouqueceu? _Não sei _ respondia a recepcionista, que trabalhava com ele há mais de 15 anos._Nunca vi “ele” assim.Naquela noite, ele tomou seu chuveiro,como fazia sempre antes de dormir.Depois, vestiu o pijama e o nariz postiço e foi deitar.
_ Você vai usar esse nariz na cama? Perguntou a mulher.
_Vou. Aliás, não vou mais tirar esse nariz.
_Mas, por quê?
_Por que não?
Dormiu logo. A mulher passou a metade da noite olhando para  o nariz de borracha. De madrugada começou a chorar baixinho. Ele enlouquecera. Era isto. Tudo estava acabado. Uma carreira brilhante, uma reputação, um nome, uma família perfeita, tudo trocado por um nariz postiço.
_Papai...
_Sim, minha filha.
_Podemos conversar?
_Claro que podemos.
É sobre o seu nariz...
_O meu nariz, outra vez?Mas vocês só pensam nisso?
_Papai, como é que nós não vamos pensar?
De uma hora para outra, um homem como você resolver andar com um nariz postiço e não quer que ninguém  note?
_O nariz é meu e vou continuar a usar.
_Mas  por que, papai?Você não se dá conta de que se transformou no palhaço do prédio?Eu não posso mais encarar os vizinhos,de vergonha.A mamãe não tem mais vida social.
_Não tem porque não quer...
_Como é que ela vai sair na rua com um homem de nariz postiço?
_Mas não sou “um homem”.Sou eu.O marido dela.O seu pai.Continuo o mesmo homem.
Um nariz de borracha não faz nenhuma diferença.
_Se não faz diferença, por que não usar?
_ Mas,mas..._Minha filha.
Chega! Não quero mais conversar. Você não é mais meu pai!
A mulher e a filha saíram de casa. Ele perdeu todos os clientes. A recepcionista, que trabalhava com ele há 15 anos, pediu demissão.Não sabia o que esperar de um homem que usava nariz postiço.Evitava aproximar-se dele.Mandou o pedido de demissão pelo correio.
Os amigos mais chegados,numa última tentativa de salvar sua reputação, o convenceram a consultar um psiquiatra.
Você vai concordar – disse o psiquiatra
Depois  de concluir que não havia nada de errado com ele – que seu comportamento é um pouco estranho...
Estranho é o comportamento dos outros!
Disse ele.__Eu continuo o mesmo. Noventa e dois por cento do meu corpo continua como antes. Não mudei a maneira de vestir, nem de pensar, nem de comportar.Continuo sendo um
Ótimo dentista, um bom marido, bom pai, contribuinte, sócio do Fluminense, tudo como antes. Mas as pessoas repudiam todo o resto por causa deste nariz.um simples nariz de borracha.Quer dizer que eu não sou eu,eu sou o meu nariz?
-É... Disse o psiquiatra _ Talvez você tenha razão...
O que é que você acha leitor? Ele tem razão?Seja como for, não se entregou. Continua a usar nariz postiço.Porque agora não é  mais questão de nariz postiço.Por que agora não é mais questão de nariz.Agora é uma questão de princípios.
VERÍSSIMO Luís Fernando. O nariz, in:O nariz e outras crônicas.São Paulo:Ática, 1994,p.73-6.

1)  O texto”O Nariz” de Luís Fernando Veríssimo é uma narrativa do gênero:
(a)   notícia
(b)   piada
(c)   crônica
(d)   poema
2)  Neste texto predomina-se o discurso:
(a)   indireto livre
(b)   direto
(c)   indireto
(d)   diretamente proporcional
3)  Para esta narração o autor Luís Fernando Veríssimo optou pelo uso da linguagem:
(a) culta  / formal
(b) informal / coloquial
(c) formal / incorreta
(d) coloquial / técnica
4)  O autor opta pelo uso desse tipo de linguagem:
a) para representar a fala usada no cotidiano,
 b) para evidenciar a fala errada dos personagens,
c) porque quer mostrar que os dentistas também discutem,
d) porque esta linguagem é usada pelos dentistas em de me comportar.
5)  Este texto discute vários aspectos da vida social moderna, contudo o que se destaca é:
(a)   beleza
(b)   moda
(c)   casamento
(d)   comportamento

6) De acordo com o texto, o mais importante para a sociedade é :     
a)O interior das pessoas, sua felicidade e sua boa convivência.
b) Ser bom homem, bom marido, bom pai, bom dentista.
c)Nunca mudar seu nariz, só os loucos fazem isso.
d)Sua aparência, não importa o caráter das pessoas.

Não sei – respondia a recepcionista, que trabalhava com ele há 15 anos – Nunca vi “ele” assim.
 



7) Nesta frase o autor usa o pronome entre aspas por que?
a) tinha consciência de que estava usando uma construção fora do padrão da norma culta.
b) para salientar que se referia ao  dentista senhor seu patrão.
c) para indicar que a secretaria estava com medo dele.
d)  para conferir maior  ênfase de o personagem está completamente louco.

“Um homem sério...”
“Eu não compreendo você”
“Sentou –se ...quieto e distraído
 



8)  Marque um X diante da sequência em que as palavras são acentuadas pela mesma razão.
a) óculos, sólida, última
b) sólido, quê, só
c) sócio, negócio, prédio
d) tolerância,  sofá, saíram.
9) Por que o dentista foi abandonado por todos?
(a)  Porque o personagem terminou seus dias completamente louco.
(b)  Porque insistia em usar um nariz postiço.
(c)  Porque se mudou para o Edifício Grouche.
(d)  Porque a mulher e a filha saíram de casa.


-“ Nunca vi “ele” assim”.
 

10)                                  
Para usarmos a norma culta da língua nesta frase deveria redigi-la da seguinte maneira:
          a) nunca o vi assim
          b) nunca vi-o assim
          c) não vi ele assim
          d) nunca vi eles assim
11)  O objetivo do autor, neste texto, foi mostrar:
       a) a loucura do dentista.
       b) a incompreensão familiar
       c) o preconceito social.
       d) o constrangimento da família.
12)  A alternativa em que as palavras são acentuadas pela mesma regra é
         a) ninguém, você,última
         b) há, tolerância, óculos
         c) princípios, tolerância, família
         d) ótima, saíram, aliás.

“Estranho é o comportamento 
dos outros.
 
13) O sujeito desta frase é :
(a)  Estranho
(b)  O comportamento
(c)  Outros
(d)  O.S.S
14) Leia o texto e responda.

Baleias não são peixes.
Baleias são mamíferos, não peixes [...] As baleias como o homem e os demais mamíferos, possuem sangue quente, respiram ar pelos pulmões, e dão a luz filhotes bem desenvolvidos, que crescem sendo amamentados por suas mães.
 
 N a frase “As baleias, como o homem e os demais mamíferos, possuem sangue quente...” O sujeito é
(a)   sujeito composto.
(b)   sujeito simples.
(c)   sujeito indeterminado.
(d)  sujeito desinencial
  Leia o texto abaixo
Escrita: um nascimento humilde
     A Mesopotâmia, o Oriente Médio, abrigou uma das mais antigas civilizações. Entre 4000 e 3000 a.c, os sumérios da Mesopotâmia meridional construíram as primeiras cidades do mundo, na fértil planície entre os rios Tigre e Eufrates.As cidades sumérias, como Uruk e Ur, eram circundadas por muralhas e tinham templos construídos no de zigurates – enormes planícies que utilizavam a irrigação para abastecer de água as pastagens e as plantações. Animais domesticados, como bodes e vacas, eram criados em pastagens e forneciam, com regularidade, carne, leite, manteiga e pele.
Os sumérios também desenvolveram uma das mais antigas formas de escritas, usada para registrar o gado, comida e outros bens.     Paulo, Pedro & Funari, A.Antigas civilizações.In:Tudo.7ª série.
15-O assunto principal do texto é
(a)   O desenvolvimento da escrita pelos sumérios.
(b)   A civilização dos sumérios, uma das mais antigas do mundo.
(c)   A utilização da irrigação de água para abastecer as plantações
(d)   Os pictogramas transformaram numa escrita conhecida por cuneiforme.